terça-feira, 25 de junho de 2019

↪️Cães terapeutas fazem menino autista voltar a conversar

Raylon Lomeu, um dos 12 pacientes atendidos pelos Bichos Terapeutas, começou a falar após participar do projeto.  Foto: Paula Resende/ G1


Cães terapeutas fazem menino autista voltar a conversar
Cães terapeutas estão fazendo a diferença em Morrinhos, Goiás.

Os cães Nino, Thor e Tacha participam de sessões de fonoaudiologia, fisioterapia, terapia ocupacional e psicologia na rede pública.

Os cachorros ajudam crianças e adultos durante sessões de fonoaudiologia, fisioterapia, terapia ocupacional e psicologia realizadas na rede pública, em Morrinhos, na região sul de Goiás.

“Com a presença do cão, a gente consegue que ele se comunique, fale com a gente, dê respostas, faça perguntas, coisas que não fazia. A criança fica mais espontânea, à vontade. Foi um resultado incrível”, afirma a fonoaudióloga Meiriely Duarte Silveira, responsável pelo tratamento.

Pai de Raylon, José Ricardo Dias Lomeu espera uma evolução constante do filho.

Eu me sinto confiante que ele vai melhorar sempre. Cada dia uma coisa que ele faz é uma conquista para nós. Espero que seja independente, consiga se defender”, disse.

↪️ VÍDEO EM DESTAQUE 

👉VÍDEO - Dra. Elane Alves, ex-assessora da CONACS, reage as declarações de Ilda Angélica. A categoria também questiona o posicionamento da presidente da CONACS. Veja os comentários, Clique aqui!

Professora do curso de zootecnia do Instituto Federal Goiano, Aline Camargos criou o projeto em 2014 e, desde então, 30 pessoas já foram atendidas pelos bichos — uma maritaca também compõe o time. Atualmente, 12 pacientes fazem terapia com os animais, uma vez por semana.

O tratamento dura, no mínimo, seis meses.

Os resultados surpreendem alunos e professores que desenvolvem o projeto.


Os animais entram acelerando o processo de ganho de saúde. Me sinto realizada de ver o ganho dos pacientes e, não só dos pacientes, percebo que os alunos que eu trago evoluem muito como cidadãos. A gente percebe que o aluno que está ajudando é alguém que também precisava de ajuda”, destaca Aline.

Seleção dos cãoterapeutas

Para participar do projeto, os animais precisam ser aprovados, inicialmente, pelo veterinário Flávio Barros Costa.

Os calendários vacinal e preventivo, tanto de verminose quanto de ectoparasita, têm de estar atualizados para que, entrando em contato com os pacientes, os cães não levem nenhuma zoonose ou doença. É um acompanhamento ininterrupto”, afirma.

Além dos testes de sanidade, os bichos também passam por avaliações comportamentais.

A partir do resultado do hectograma, a gente vai entender o quanto o cão gosta do contato com o ser humano, o quanto é receptivo a outras técnicas, o aprendizado de truques e adestramento”, explica a coordenadora do projeto.

Equipe do Bichoterapeutas Foto: Paula Resende/G1

Aline ressalta que, para os animais atenderem bem, é necessário que eles estejam bem.

O bem-estar desses animais que atuam como co-terapeutas é bem importante para a gente. Eles só podem participar de três sessões de 30 minutos por dia. A gente não pode ultrapassar esse limite porque o animal cansa e, quando está cansado, estressado, ele começa a ter outras reações que diferem do comportamento natural deles”, explica.

“A gente tem a segurança que os cães estão gostando dos atendimentos”, completa a professora.

 Leia também

↪️ +VÍDEO EM DESTAQUE 

👉VÍDEO - CONACS: Audiência marca principais pontos da nova articulação em Brasília.  Veja direto no Youtube


↪️ Agentes de Saúde desenvolvem Método Prático e Pedagógico para auxiliar na Medicação de Pacientes com Dificuldade de Leitura


Para os idosos que não conseguem ler, a equipe desenvolveu um método simples e prático para que os pacientes pudessem fazer uso dos medicamentos sem dificuldades.

O excelente trabalho que o agentes de Saúde vem desenvolvendo em Salto da Divisa, têm melhorado muito a qualidade de vida dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) na cidade. Leia a matéria completa, Clique aqui!




↪️O Agente Comunitário de Saúde não é Agente de Doenças

Muitos confundem a função do Agente Comunitário de Saúde com agentes de doenças

Muitos confundem a função do Agente Comunitário de Saúde com agentes de doenças, mas na verdade, este profissional antes de tudo, desempenha um papel de mediador entre os saberes técnicos e populares, entre equipe de saúde e comunidade. Ao mesmo tempo em que faz parte da equipe de saúde, também faz parte da comunidade, ao mesmo tempo em que seu exercício é para comunidade, é também da comunidade, ao mesmo tempo em que se alimenta de saberes técnico-científicos, também está embebido da cultura local de saúde. Uma das potencialidades inerentes ao trabalho do ACS está na possibilidade de superação da dicotomia existente entre os saberes técnicos e os saberes da população, em direção à construção de discursos que promovam compreensões e vivências ampliadas do conceito de saúde. Dessa forma, ele se destaca como agenciador de ações e práticas emancipadoras em saúde. Continue lendo, Clique aqui!


↪️ +VÍDEO EM DESTAQUE 

👉VÍDEO - URGENTE: Desmascarada as mentiras sobre a Federalização. Veja direto no Youtube
Assista  a um dos 22 vídeos sobre a Federalizaçãoclique aqui!

FonteCom informações do G1 / Jornal dos Agentes de Saúde do  Brasil.  Publicado em  25/06/2019, às  10h30





https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif


Nenhum comentário:

Postar um comentário