domingo, 3 de março de 2019

↪️CONTRIBUIÇÃO ANUAL: Governo proíbe desconto de contribuição sindical nos salários de trabalhadores

O Presidente Jair Bolsonaro editou a MP 873 na 6ª feira (02/03) Foto: Sérgio Lima


Agentes de Saúde (ACS/ACE) de Contagem Garantem Pagamento do Piso com Retroativo

Publicamos essa matéria para esclarecer a perguntas que nos foram feitas sobre o tema. Segue as informações de grande relevância!

O governo editou uma Medida Provisória que proíbe sindicatos de descontarem a contribuição sindical diretamente nos salários dos trabalhadores. Pelo texto, o pagamento deverá ser feito por boleto bancário, enviado àqueles que autorizarem previamente a cobrança.

A MP 873 (íntegra), assinada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ministro Paulo Guedes (Economia), foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União nessa 6ª feira (1º.mar.2019).

Por se tratar de uma medida provisória, o texto tem força de lei e está vigente desde a publicação. No entanto, precisará ser aprovada pelo Congresso em até 120 dias para não perder a validade.

O texto determina que o boleto deverá, obrigatoriamente, ser encaminhado à residência do empregado ou, na hipótese de impossibilidade de recebimento, à sede da empresa. Quem descumprir a medida poderá ser multado.

↪️ VÍDEOS EM DESTAQUE


👉VÍDEO - A CONACS alerta sobre o Trabalho dos Agentes de Saúde (ACS e ACE) contra o Aedes Aegypti. Clique aqui para acessar direto no Youtube 

A medida também reforça o caráter facultativo da contribuição sindical, que equivale ao valor recebido por 1 dia de trabalho. O texto determina que a cobrança só poderá ser feita com autorização “prévia, voluntária, individual e expressamente autorizada pelo empregado.”

Eis o trecho:

Art. 578. As contribuições devidas aos sindicatos pelos participantes das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais representadas pelas referidas entidades serão recolhidas, pagas e aplicadas na forma estabelecida neste Capítulo, sob a denominação de contribuição sindical, desde que prévia, voluntária, individual e expressamente autorizado pelo empregado”, diz o texto.

De acordo com a medida provisória, a autorização do trabalhador deverá ser “individual, expressa e por escrito”.

Segundo o texto, não serão permitidas cobranças tácitas –que não dependem de 1 ato específico e são deduzidas de outros atos que lhe dão antecipada aprovação– ou substituição dos requisitos por requerimento de oposição (quando o trabalhador indica ser contrário ao desconto).

A medida determina ainda que nenhuma negociação coletiva –que ganhou força sobre a legislação após a reforma trabalhista– ou assembleia geral das entidades terá poder de tornar o imposto sindical obrigatório.    
A MP também estabeleceu limites claros para a definição dos valores de cobrança e sobre o que é considerado equivalente a “1 dia de trabalho”. Para os trabalhadores que recebem por tempo trabalhado, o valor é equivalente a jornada normal de 1 dia; para quem recebe por tarefas ou comissão, o valor deve ser 1/30 do salário do mês anterior.

Para trabalhadores que recebem, habitualmente, gorjetas, a contribuição corresponderá a 1/30 da importância que tiver servido de base, em janeiro, para a contribuição do empregado à Previdência Social.

CONTRIBUIÇÃO DEIXOU DE SER OBRIGATÓRIA EM 2017

A contribuição sindical deixou de ser obrigatória na reforma trabalhista proposta pelo governo do ex-presidente Michel Temer e aprovada pelo Congresso Nacional em 2017.  A mudança não impede que os sindicatos recebam as contribuições desde que o trabalhador autorize a cobrança.

Pelo Twitter, o secretário de Previdência e Trabalho do governo Bolsonaro, Rogério Marinho, afirmou que a medida é necessária pois “o ativismo judiciário tem contraditado o legislativo e permitido a cobrança.”

Marinho é ex-deputado federal e relatou a proposta da reforma trabalhista no Congresso durante o governo Temer, em 2017.

Em junho de 2018, o Supremo Tribunal Federal decidiu manter a cobrança facultativa do imposto sindical. A Procuradoria Geral da República também defendeu o fim da obrigatoriedade do imposto (íntegra).

O posicionamento do plenário foi contrário ao voto do relator, ministro Edson Fachin, que defendia derrubar a nova regra e retomar a cobrança obrigatória do imposto. Leia a íntegra do voto.

A Suprema Corte julgou conjuntamente 19 ações contra dispositivo da reforma trabalhista que condicionaram o recolhimento da contribuição sindical à autorização prévia e expressa do trabalhador.

↪️ +VÍDEOS EM DESTAQUE

👉VÍDEO - URGENTE: CONACS adverte sobre erros na Regulamentação do Reajuste.
 Veja direto no Youtube

↪️ Espalhe Sou +Saúde nas suas redes sociais. Siga-nos no FacebookTwitterInstagram e Youtube

FontePoder360 / Publicado no Jornal dos Agentes de Saúde do  Brasil  em 03/03/2019, às 20h01. 





https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif


Nenhum comentário:

Postar um comentário