sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Febre amarela se tornar endêmica em SP, diz coordenador de controle de doenças do governo

O mosquito Haemagogus leucocelaneaus, exclusivo de matas e ambientes silvestres, é vetor de febre amarela silvestre (Foto: Josué Damacena/IOC/Fiocruz)

Febre amarela pode se tornar endêmica em SP, diz coordenador de controle de doenças do governo

Marcos Boulos, porém, ressalta que doença deve ficar concentrada em áreas de vegetação.

A febre amarela pode se tornar endêmica no estado de São Paulo, informou o coordenador de controle de doenças da Secretaria Estadual da Saúde, Marcos Boulos. Endemia é quando uma doença existe de forma contínua e constante dentro de uma determinada região.

Boulos, porém, ressalta que a doença deve ficar concentrada em áreas de vegetação. "É possível que ela se transforme em uma endemia no estado, mas com muitos poucos casos, esporádicos e em regiões de matas", disse Boulos nesta quarta-feira (31).

Veja municípios de SP com recomendação de vacinação contra febre amarela
A avaliação do governo veio com a análise das mortes de primatas infectados. "Como hoje nós pegamos até macacos infectados no inverno, e essa é uma doença de verão, mostra que provavelmente o ciclo vai se manter no estado de São Paulo”, afirmou.

“E aí deixa de ser epidemia e passa a ser uma endemia, que é aquela doença que está com a gente", disse Boulos. Atualmente no Brasil, a região Amazônica e o Centro-Oeste são endêmicos para a febre amarela.

Todos os casos registrados da doença até agora são de febre amarela silvestre. A febre amarela urbana não existe no Brasil desde 1942.

Corredores ecológicos
O governo do estado monitora o caminho da febre amarela no estado através dos chamados "corredores ecológicos", que são áreas em que a doença se desenvolve. O mapeamento destes corredores pôde ser feito desde maio de 2017, com os registros de mortes de macacos.

"Isso permitiu com que a gente descobrisse onde a população devia ser vacinada, porque o vírus estava chegando. Isso permitiu com que nós fizéssemos um planejamento muito mais adequado e correto", disse Boulos.



FontePor Paula Paiva Paulo, G1 SP/ Publicado no Jornal dos Agentes de Saúde do  Brasil, em  02/02/2018, às  19h00.   

🔂Síndrome de Burnout - um distúrbio psíquico de caráter depressivo...
🔂Saúde e Segurança no Trabalho: cuidados com a conjuntivite #FiqueAtento
🔂Câmara Notícia 21H: A aprovação do PL 6437/2016, que trata das atribuições dos ACS/ACE
🔂MNAS orienta Agentes de Saúde  contra Prefeituras que não pagam o Incentivo Adicional (14º
🔂 Decisão do STF sobre o uso de EPI e suas consequências





https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif