quinta-feira, 29 de junho de 2017

Racha das centrais sindicais e multas da Justiça limitarão adesão à paralisação de 30 de junho

Terminal de ônibus vazio na greve geral de 28 de abril: trabalhadores terão menos dificuldade de comparecer ao trabalho em 30 de junho. Antônio More/Gazeta do Povo

Greve de sexta não será tão “geral” assim; veja o que as centrais sindicais programam
Por Gazeta do Povo - www.gazetadopovo.com.br

Racha das centrais sindicais e multas da Justiça devem limitar adesão à paralisação de 30 de junho, que deve ser menor que a de 28 de abril

O que era para ser “greve geral” virou “dia de paralisação nacional”. Declarações de centrais sindicais indicam que a mobilização marcada para a próxima sexta-feira (30) não chegará perto da realizada em 28 de abril – quando, pelas contas dos organizadores, 40 milhões de pessoas deixaram de trabalhar.

A nota conjunta assinada por nove centrais na sexta-feira (23), após uma reunião para debater o “calendário de luta”, fala em “parar o Brasil”. Mas não usa a expressão greve geral.

Leia as matérias em destaque:

Centrais recomendam que, na medida de suas possibilidades, os trabalhadores cruzem os braços por meia hora, uma hora ou até o dia todo, em seus locais de trabalho e regiões com aglomerações de fábricas, por exemplo. Ou seja, sem necessariamente se reunir em grandes atos nas regiões centrais das principais cidades.

O que era para ser “greve geral” virou “dia de paralisação nacional”. Declarações de centrais sindicais indicam que a mobilização marcada para a próxima sexta-feira (30) não chegará perto da realizada em 28 de abril – quando, pelas contas dos organizadores, 40 milhões de pessoas deixaram de trabalhar.

A nota conjunta assinada por nove centrais na sexta-feira (23), após uma reunião para debater o “calendário de luta”, fala em “parar o Brasil”. Mas não usa a expressão greve geral.

Centrais recomendam que, na medida de suas possibilidades, os trabalhadores cruzem os braços por meia hora, uma hora ou até o dia todo, em seus locais de trabalho e regiões com aglomerações de fábricas, por exemplo. Ou seja, sem necessariamente se reunir em grandes atos nas regiões centrais das principais cidades.

Racha nas centrais

A CUT, que é historicamente ligada ao PT e se recusa a dialogar com o Planalto, assinou a nota conjunta das centrais, mas em seus comunicados individuais mantém o discurso de greve geral. A central divulgou nesta segunda-feira (26) resoluções em que convoca as bases “para mais uma demonstração de força da classe trabalhadora contra a reforma trabalhista proposta pelo governo ilegítimo e golpista de Michel Temer”.

Mas, mesmo sendo a maior central do país, com 30,4% dos trabalhadores sindicalizados, a CUT não conseguirá sozinha fazer uma greve geral. Organizações como a UGT e a Força Sindical – respectivamente a segunda e a terceira maiores centrais, com 11,3% e 10% dos sindicalizados – não cultivam a ambição de igualar ou superar o 28 de abril.

Na greve geral de abril, a Justiça acabou impondo multas pesadas a algumas categorias, como os motoristas de São Paulo. A própria categoria ficou com medo de repetir e levar mais uma multa. O que as centrais resolveram? Fazer paralisações pontuais”, explica Paulo Rossi, presidente da seção paranaense da UGT.

A ideia, segundo o sindicalista, é mostrar para os trabalhadores o que eles vão perder com a reforma trabalhista e previdenciária e “cobrar uma posição política muito clara dos parlamentares” com ações nos aeroportos e em Brasília.

A Força Sindical, cuja direção nacional apoiou abertamente o impeachment de Dilma Rousseff e a posse de Temer, considera importante manifestar a contrariedade com as reformas. Mas avalia que greve geral é um trunfo a ser guardado para momento mais propício.

“A gente pressiona, faz mobilização, para negociar alguma coisa. A gente não faz greve por fazer. E a gente negocia com todo mundo, não interessa se o governo que está aí é o Michel Temer, o Lula, a Dilma. Temos que negociar com quem está no poder e no comando”, diz João Carlos Gonçalves, o “Juruna”, secretário-geral da Força Sindical.

A Força tem conversado com o governo e espera que uma medida provisória (MP) de Temer volte a permitir a cobrança de contribuição assistencial de não sindicalizados, que foi proibida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Há rumores de que o governo possa garantir, também via MP, a continuidade do imposto sindical obrigatório, principal fonte de financiamento de boa parte dos sindicatos, que será eliminado caso a reforma trabalhista seja aprovada. Mas, segundo Juruna, a central trabalha para eliminar esse item da reforma, sem depender de uma MP posterior.

“Entre hoje (27) e amanhã (28) vamos ao Senado conversar com o presidente da Casa, com os senadores, fazer um corpo a corpo. Para tentar convencê-los a modificar a reforma”, explica.

Ao contrário da Força e da maioria das centrais, a CUT é favorável à extinção do imposto sindical. Por isso, uma eventual concessão do Planalto nesse aspecto não deve sensibilizar a entidade.

Autorizada a reprodução deste texto, desde que as suas fontes sejam citadas!

Fontewww.gazetadopovo.com.br / Publicado no Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil,  em 29/06/17, às 14h10.

Leia Também:
🔂TABLETs: Novo aplicativo amplia trabalho dos agentes comunitários de saúde
Deixe o seu comentário no espaço abaixo!

https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif


Agentes Comunitários de Saúde de Caruaru aprovam novo valor de PMAQ

Agentes Comunitários e de Combate às Endemias lotam a Câmara de Caruaru para garantir novo valor do PMAQ Ontem, quinta-feira (26), os ...