terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Roedores consolam familiares e amigos perturbados, mostra estudo

Arganaz-das-pradarias, mamífero monógamo, revelou empatia em teste. Hábito similar a humano só havia sido visto em animais mais inteligentes.

Roedores consolam familiares e amigos perturbados, mostra estudo
Uma pequena espécie de roedor da América do Norte, o arganaz-das-pradarias (Microtus ochrogaster) tem o costume de consolar familiares e companheiros submetidos a estresse.
A descoberta, feita a partir de um experimento da Universidade Emory, de Atlanta (EUA) mostrou pela primeira vez esse tipo de comportamento de empatia em mamíferos mais distantes da espécie humana.
O hábito de consolar por meio de contato físico só havia sido demonstrado antes em animais de inteligência mais sofisticada, como macacos, elefantes, golfinhos e cães.

Cientistas acreditam que o arganaz-das-pradarias tenha desenvolvido essa capacidade por ser um animal monogâmico, que mantém interações sociais mais complexas do que outras espécies próximas.

Choque de empatia
Entre os autores da descoberta está o primatologista Frans de Waal, primeiro a demonstrar que chimpanzés consolam uns aos outros, em pesquisas de 1979. O experimento foi conduzido James Burkett, também da Universidade Emory.

Para demonstrar se os animais realmente teriam a tendência a consolar outros indivíduos, pares de roedores foram criados juntos e depois separados. Um dos indivíduos era então submetido a estresse com choques elétricos leves, que não causavam dano físico.

Após o tratamento que os deixava mentalmente perturbados, eram novamente colocados em contato com seus pares. Quando voltava à convivência, os animais não submetidos ao choque percebiam o estado de estresse de seus companheiros e mantinham-se junto a eles, lambendo-os por período de tempo maiores.

A demonstração de empatia foi vista tanto entre familiares quanto entre arganazes "amigos", que haviam compartilhado gaiolas por longos períodos de tempo. Outra espécie de roedor, o arganaz-do-campo (Microtus pennsylvanicus) não demonstrou a mesma capacidade.

Hormônio do amor
Além de pesquisar o comportamento dos animais, os cientistas investigaram quais mecanismos neurológicos estariam embasando as demonstrações de empatia. A suspeita é que a oxitocina -- molécula popularmente conhecida como "hormônio do amor" -- estava envolvida no processo.
A oxitocina é um neurotransmissor -- uma substância que transmite impulso ao longo de nervos em circuitos específicos no cérebro e no restante do sistema nervoso. Quando os cientistas usaram drogas para bloquear o funcionamento da oxitocina nos roedores do experimento, os animais deixaram de consolar seus companheiros.

As conclusões do trabalho foram descritas em estudo na revista "Science", da Associação Americana para o Avanço da Ciência.

"Muitos traços humanos complexos possuem origens em processos cerebrais fundamentais que são compartilhados com muitas outras espécies", afirma Larry Young, um dos autores do estudo. "Agora temos a oportunidade de explorar em detalhe mecanismos neurais subjacentes a reações empáticas em roedores de laboratório, com claras implicações para humanos."

Segundo os cientistas, seria possível, em princípio, criar modelos de laboratório para estudar transtornos como o autismo e a esquizofrenia, que prejudicam a capacidade de sentir empatia.

Fonte: g1.globo.com / Publicado pelo Jornal dos Agentes de Saúde em 17/01/17, às 12h42.

Leia outras matérias impressionantes:
Chef brasileiro vence Mundial de Sushi em Tóquio
Lembraste desta mãe que teve 8 bebés? Não vais acreditar como está hoje!
1,1 milhão de mortes em 2015: Pactuadas novas metas mundiais para o enfrentamento ao HIV/Aids
CÂNCER - Familiares de Edson Celulari raspam a cabeça para apoiar ator
IDEIAS DO BEM: Leitura como instrumento para mudar destinos
Empresário ensina moradora de rua a ler na hora do almoço
Vacinação contra o câncer: Estudo prova ser possível criação de vacina anticâncer
Desempregado acha R$ 7 mil, devolve e tem oferta de emprego
Homem se recupera após píton morder seu pênis na Tailândia
Brasil é o terceiro país mais ignorante do mundo
Mulher é levada ao hospital com tubarão preso ao braço na Flórida
5 professores que marcaram a educação brasileira
O que fazer com a educação pública? 3 lições para São Paulo
7 "fatos" científicos que você aprendeu errado na escola
A Holanda reconhece: legalizar maconha foi erro
Por falta de detentos, Suécia fecha 4 presídios
Chikungunya pode causar artrite crônica, meningite e inflamação no coração
Teresina/PI: Hanseníase e tuberculose: 400 agentes de saúde contraíram doenças de pacientes
Em hospital, maqueiro canta para acalmar paciente idosa
WhatsApp: como evitar o download automático de vídeos e fotos 
Saiba o que significa o cadeado que agora aparece no WhatsApp 
Pai coloca filho recém-nascido à venda em site 
Incontinência Urinári 
Igreja faz mutirão e reforma posto de saúde em RO
ONG Holandesa promove abortos no Brasil para vítimas do Zika Vírus
10 casos inacreditáveis de negligência médica que beiram o absurdo

Deixe o seu comentário no espaço abaixo!

https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif


O seu Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil agradece pelos 7.000.000 de consultas

Em 2013, quando uma postagem do Jornal, versão Facebook, atingiu 1.480.000 (um milhão, quatrocentos e oitenta mil) acessos ficou evidente...