quarta-feira, 8 de junho de 2016

Salvador/BA: Gestão oferece 0 % de reajuste, adia o enquadramento e se recusa a entregar a ata da reunião.

Durante a última greve, num universo de quase 4.000 agentes, menos de duzentos estavam na luta, de modo que nós temos um piso nacional aprovado por lei, esquecido pelo governo federal, ignorado pelo governo municipal e  ignorado pelos agentes de saúde

Depois de uma reunião com os representantes dos servidores do município de Salvador na  quinta-feira (2), na qual participaram a AACES, o SINDSEPS, o SINDACS/BA e a ASTRAM, a secretária de Gestão, Sônia Magnólia, afirmou em alto e bom som que a proposta da prefeitura para os servidores é: “0% de reajuste e o enquadramento só em novembro”.

Com todo um cenário preparado para dizer “NÃO” ao servidor, a reunião contou com a presença do subsecretário da fazenda, Walter Cairo, na qual apresentou o quadro da arrecadação tributária que, segundo ele, estaria negativo em 7%. Vale ressaltar que os trabalhadores suspenderam uma greve de trinta dias para aguardar o fechamento do quadrimestre, acreditando que a prefeitura iria pelo menos repor as perdas com a inflação, ledo engano.

Após muitos questionamentos por parte dos representantes dos trabalhadores sobre os critérios adotados para chegar a essa decisão, inclusive Josué Ferreira  (AACES) argumentou que, “em relação aos agentes de saúde, o recurso vem do governo federal e que o prefeito deveria cumprir a lei do piso”, mas não adiantou, chegou-se então a conclusão de que qualquer argumentação naquele momento seria em vão, lembrando que essa atual gestão ainda não cumpriu parte do acordo do ano passado. Todavia, o que nos intriga é a dificuldade da secretária para emitir a ata da reunião. Num primeiro momento disse que faria a ata, que não teria problema nenhum e que não disse nada que não poderia ser dito; depois disse que faria no dia seguinte na presença do procurador; depois não disse mais nada, ou seja, por três vezes a ata foi “negada” aos representantes sindicais.

Leia outras matérias completas:
Bom Jardim causa espanto com desconto ilegal de paralisação dos Agentes Comunitários
Secretário de saúde de Patos dialoga com agentes comunitários de saúde em busca de melhorias para a saúde pública
Canal de monitoramento da Luta dos Agentes de Saúde em Brasília
Diretoria do Conasems se reúne com novo ministro da saúde
Portarias criadas pelo Governo Dilma atendem proposta do Conasems, diz presidente do CONFEN
Projetos de Decretos Legislativos podem derrubar as Portarias 958/959 do Ministério da Saúde
Prefeitura cria plano de carreira para agentes de saúde de Chapadinha (MA)
CNM, CONASS e CONASEMS têm interesse em manter as Portarias 958/959 
Ministério da Saúde convoca os Agentes de Saúde para debater as Portarias 958/959/2016
Agentes de saúde pedem revogação de portaria que desobriga municípios de contratá-los
‘Retirar o ACS das Equipes de Saúde da Família é um retrocesso no modelo de Atenção Básica...
Benefícios para agentes de saúde são aprovados em comissão 
Paralisação Nacional Fortalece a luta dos Agentes de Saúde. Propostas divulgadas no Diário da União não é Lei Regulamentada
Agentes de saúde de Santa Maria da Boa Vista – PE aderem à Paralisação Nacional 
Agentes de Saúde de Feira de Santana se preparam para paralisação nacional do dia 18 de maio
A Pressão que vem da notícia: Mais um município passa a garantir o Incentivo aos Agentes de Saúde



Pelo resumo da opera, percebe-se que a prefeitura escolheu o servidor para contingenciar suas contas, querendo colocar a “crise” nas costas do servidor, e, como se não bastasse, o vereador Claudio Tinoco vai pra mídia dizer que “...é legitimo dar 0% de reajuste para os servidores”. Será que pra ele dar “0” pros outros é refresco?

Na quarta-feira,  às 8h, acontece uma assembleia geral dos servidores na quadra dos bancários nos Aflitos, onde os trabalhadores discutirão e decidirão os rumos da categoria.

Ressaltando que durante a última greve, num universo de quase 4.000 agentes, menos de duzentos estavam na luta, de modo que nós temos um piso nacional aprovado por lei, esquecido pelo governo federal, ignorado pelo governo municipal e  ignorado pelos agentes de saúde, quando não vão buscar o seu direito legal. A gestão diz que não vai pagar e realmente não vai se só tiver 100 ou 200 lutando, mas se esses quase 4.000 entenderem que unidos somos mais fortes e forem pras ruas, certamente conseguiremos!

A vitória do trabalhador está em suas próprias mãos.

Fonte: aaces2.blogspot.com.br






https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif