terça-feira, 13 de outubro de 2015

Vídeo: "Fala de Carlos Basilia, secretário executivo da Parceria Brasileira Contra a Tuberculose, e coordenador do Observatório Tuberculose Brasil

Assista ao vídeo na íntegra!

Assista ao vídeo "Fala de Carlos Basilia, secretário executivo da Parceria Brasileira Contra a Tuberculose, e coordenador do Observatório Tuberculose Brasil, representando a sociedade civil, durante a Audiência Pública "Debater o papel do parlamento em consonância com a luta contra a tuberculose no mundo".

A audiência pública foi conduzida pelo presidente da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara, deputado Antônio Brito, e contou com a participação do deputado do Reino Unido Nick Herbert, do representante de movimentos sociais Carlos Basilia e de Luís Codina, representando a Organização Pan-americana de Saúde (OPAS).

O deputado britânico Nick Herbert chamou a atenção para o esforço global que está havendo para a identificação de medicamentos que não sejam resistentes para o tratamento da tuberculose, salientando que a doença é responsável por 1,5 milhão de óbitos ao ano. Disse também que a tuberculose atinge hoje cerca de três milhões de pessoas no mundo e que também pode surgir de forma associada a malária e a aids, agravando o quadro clínico do paciente.

Leia Também:
Câncer: Como evitar a doença
Pacientes pedem na Justiça que USP forneça cápsula de combate ao câncer
Tsunami devastou Indonésia, Sri Lanka, Índia e Tailândia há 10 anos
Uma população inteira é salva de um atentado "graças a idiotice dos terroristas."
Mãe desconfia de que bebê foi trocado na maternidade e testes comprovam que ela estava certa
Uma psicóloga escreve sobre o "Filme Cazuza," após assisti-lo...


O Brasil registra anualmente mais de 100 mil novos casos de tuberculose

O Dia Mundial da Tuberculose foi lançado em 1982, pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pela União Internacional Contra Tuberculose e Doenças Pulmonares. A data foi uma homenagem aos 100 anos do anúncio do descobrimento do bacilo causador da tuberculose, ocorrida em 24 de março de 1882, pelo médico Robert Koch. Desde então, todo mês de março o mundo se volta para esta doença, que mata mundialmente 2 milhões de pessoas por ano.

A tuberculose já foi considerada um mal de países em desenvolvimento mas, com a epidemia de HIV, ressurgiu com força total em nações consideradas de primeiro mundo. Estima-se que 1/3 das pessoas com HIV positivo têm, ou já tiveram, tuberculose. Só no Brasil mais de 100 mil novos casos são registrados por ano e o País ocupa o 14.º lugar no ranking mundial dos 22 países responsáveis por 80% de todos os casos deste mal no mundo.

Segundo Jaime Rocha, infectologista do Laboratório Alvaro, a doença é transmitida por meio da inalação de gotículas provenientes de secreções de uma pessoa infectada. Quando um portador de tuberculose tosse ou espirra, ou mesmo no próprio ato da respiração, ele dissemina no ar o bacilo, que é o responsável por infectar outras pessoas.

Apesar de ser uma doença que assusta pelos seus sintomas e pelo alto índice de mortes anuais, a tuberculose tem tratamento e pode ser muito bem controlada se tiver um acompanhamento de autoridades e sociedade, afirma o especialista. O aumento na incidência da doença, há cerca de vinte anos, é um desafio para a medicina mundial.

Outro aspecto é a potencial resistência do bacilo aos medicamentos. “O tratamento é composto por quatro antibióticos, que devem ser tomados por no mínimo seis meses. Quando ocorre resistência da bactéria à Rifampicina e Isoniazida - as drogas mais eficientes utilizadas no processo de cura -, o tratamento deve ser realizado por mais tempo (até um ano) e com antibióticos de preço mais elevado”, explica Rocha. Mas o especialista lembra que, infelizmente, têm sido descritos casos de tuberculose multidroga resistente, o que dificulta em muito o tratamento.

Além do tratamento, o processo de controle da doença deve contar com um diagnóstico rápido e eficiente, que pode ser por meio da detecção do bacilo da tuberculose no exame do escarro - um teste rápido que pode dar o diagnóstico em alguns minutos – ou de uma radiografia de tórax que é capaz de demonstrar lesões no pulmão.  O controle da tuberculose é um caminho longo, que inclui ações do Governo, estudos e eficiência dos profissionais da saúde e a colaboração efetiva da população.

A tuberculose conta com uma imunização, que é a vacina BCG, aplicada intradermicamente na região alta do braço da criança ao nascer. Esta vacina protege contra as formas graves de tuberculose, isto é, a meningite tuberculose e a tuberculose disseminada. A vacina faz parte do Programa Nacional de Imunizações.

HIV

A AIDS e a tuberculose formam uma combinação letal, uma vez que as pessoas soropositivas possuem suas defesas imunológicas enfraquecidas, o que aumenta as chances de seus portadores serem infectados com o bacilo da tuberculose. Hoje, a doença é a principal causa de morte entre as pessoas HIV positivas em países pobres, sendo a causa de 50% das mortes nesses pacientes, com base em dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).





Deixe o seu comentário no espaço abaixo!



https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif