domingo, 27 de setembro de 2015

Sem vale-alimentação, agentes de saúde decidem entrar em greve

O sindicato diz não consegue entender como o Executivo tem dinheiro para pagar os terceirizados e não tem em caixa para depositar o vale-alimentação dos agentes de saúde.

Prefeito de Campo Grande/MS diz que fará reunião para discutir situação da categoria.

Aproximadamente 2.400 agentes comunitários de saúde, de combate a endemias e de saúde pública, podem paralisar os serviços na próxima segunda-feira (28). A informação foi repassada na manhã desta sexta-feira (25), pelo presidente do Sisem (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Campo Grande), Marcos Tabosa. Segundo ele, a categoria ainda não recebeu o vale-alimentação.

A possibilidade de paralisação, já havia sido ventilada pelo presidente do sindicato por conta do atraso do depósito do vale-alimentação. Os primeiros a anunciarem a paralisação foram os servidores administrativos da Educação de Campo Grande. Na manhã dessa quinta-feira (25), a categoria decidiu interromper os serviços até que o vale-alimentação seja liberado.

Veja também:
Arapiraca/AL: Prefeita Célia assina projeto garantindo direitos a agentes de saúde

Uma população inteira é salva de um atentado "graças a idiotice dos terroristas."

Prefeitura de Carazinho demite agentes de saúde 
Demissões: Sindicato questiona demissões de agentes de endemia em Juiz de Fora

Prefeito da Cidade de Dona Inês/PB anuncia demissão de agentes de saúde 
17 Agentes de Saúde foram exonerados em Cataguases/MG
CNM deixa claro que as possíveis demissões de ACS’s e ACE’s são de responsabilidade do Governo
Portarias farão com que municípios arquem sozinhos com agentes comunitários e de endemias
O Fundo Nacional de Saúde (FNS) Cortou R$ 267,8 milhões dos recursos destinados ao Agentes...
Vídeo: Coordenador da MNAS fala ao Canal Saúde/Fiocruz sobre o descontentamento

O sindicato não consegue entender como o Executivo tem dinheiro para pagar os terceirizados da Omep [Organização Mundial para a Educação Pré-Escolar] e da Seleta [Sociedade Caritativa e Humanitária], e não tem em caixa para depositar o vale-alimentação dos agentes”, declara.

De acordo com Tabosa, ao todo 6 mil servidores, estão sem receber o benefício, entre eles, agentes comunitários de saúde e de combate a endemia, que recebem vale-alimentação no valor de R$ 160,00 cada um; agentes de saúde pública R$ 140,00; técnicos de enfermagem R$ 140,00; guardas civis municipal R$ 150,00 e administrativos da Educação R$ 190,00. A dívida é de R$ 897 mil, deste total R$ 381 mil apenas para os agentes.

O presidente do Sisem desconfia das contas apresentadas pelo Executivo. “Com o repasse aprovado na LDO [Lei de Diretrizes Orçamentárias] e o que a Prefeitura arrecada, entendo que ou o dinheiro está na Prefeitura, ou os contribuintes de Campo Grande são caloteiros”, declara. Ele diz ainda que o objetivo é paralisar no mínimo 85% das escolas da Reme (Rede Municipal de Ensino).

Questionado sobre o assunto, o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, criticou o posicionamento do presidente do Sisem e destacou a proximidade de Tabosa com o ex-prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte.

O Tabosa, fazia questão de tirar fotos e fazer declarações em rede social, apoiando e participando ativamente das ações criminosas do Olarte, conduzindo servidores a situação vexatória. Momento nenhum fala ou atua para exigir pagamentos dos servidores. Agora fala em paralisação. Compromissos que tem com servidores todos eles serão cumpridos dentro das possibilidades atuais. Não vai ter nada de errado. A gente sabe que Tabosa tem vínculos íntimos. Fazia parte inclusive do governo do Olarte”, ressalta.

Ainda conforme o chefe do Executivo municipal, ainda nesta manhã será realizada uma reunião com a equipe de finanças da Prefeitura para discutir o assunto.

Estamos fazendo pagamento de acordo com possibilidade do município. Vamos com certeza atender todos os servidores. Não porque Tabosa está ameaçando greve. Hoje as 11 horas faremos uma reunião com a equipe de finanças. Não por causa do Tabosa, ele não tem esta importância toda. Nosso compromisso é com servidor público. Hoje estamos resolvendo problemas e servidores podem ficar tranquilos. Não é um ou outro influenciado por políticos lameados que vão dificultar e usar servidores como massa de manobra”, finaliza.

Com informações da midiamax.com.br






Deixe o seu comentário no espaço abaixo!



https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif