quarta-feira, 15 de julho de 2015

Taxa para ter o seu médico no parto - Alguns hospitais cobram de R$ 2 mil a R$ 4 mil para ter a presença do médico escolhido pela família no momento do parto.

 
 Taxa de Disponibilidade?

Certo, errado, antiético, perverso, apenas uma questão comercial? Veja o que fazer para tentar garantir que o médico do pré-natal realize seu parto.

Uma situação nada agradável, mas infelizmente comum nos dias atuais é a notícia de que os pais terão de pagar um valor extra caso queiram determinado médico para realizar o parto. Muitos planos de saúde cobram a “Taxa de Disponibilidade” para garantir que o médico que atendeu a grávida durante os meses de gestação seja o responsável pelo parto.

LEIA TAMBÉM
Importância do pai na criação dos filhos é destacada em seminário na Câmara 
90% apoiam redução da idade penal 

Quais os Municípios Pagam o "Piso Nacional?"
Vídeo: Coordenador da MNAS fala ao Canal Saúde/Fiocruz sobre o descontentamentoRevista Época/Cristofobia - Pouco denunciada, a opressão violenta das minorias cristãs nos países muçulmanos é um problema cada vez mais grave
Revista VEJA/ Pode-se praticar cristofobia sob o pretexto de combater a homofobia? Ou: O mi-mi-mi dos hipócritas e autoritáriosA violência contra mulheres por parte de conhecidos é maior no Norte (3,9%) e no Sul (3,7%)
Projeto regulamenta a insalubridade e Aposentadoria Especial dos Agentes de Saúde
AIDS: 25 milhões de pessoas já morreram e 2,7 milhões são contaminadas a cada ano  


Alguns hospitais cobram de R$ 2 mil a R$ 4 mil para ter a presença do médico escolhido pela família no momento do parto. Essa prática chamada de “Taxa de Disponibilidade” é polêmica e alvo de ações na Justiça.

A Justiça do Estado do Espírito Santo, por exemplo, proibiu a Unimed Vitória de cobrar essa taxa de clientes dos planos de saúde da empresa. A juíza destacou em sua decisão que as pessoas já arcam com gastos referentes a planos de saúde e, portanto, esse taxa deveria ser coberta pela seguradora.

Além disso, a juíza entendeu que a escolha do médico não era mera vaidade da família, mas sim uma decisão que envolve riscos à saúde do bebê e da mulher, pois o médico que atendeu a grávida na fase de pré-natal tem amplo conhecimento do histórico da gravidez e seus riscos.

Falta de lei e briga entre órgãos. Não existe lei federal que impeça ou libere a “Taxa de Disponibilidade”. Existe sim um enorme conflito de pensamento entre órgãos ligados à saúde e ao consumidor.

O Conselho Federal de Medicina (CFM)
, por exemplo, considera que o cliente do plano deve sim pagar caso queira escolher o médico. O CFM alega entre outras coisas que o plano disponibiliza um plantonista para realizar o parto caso o médico escolhido pela família não esteja em horário de serviço.

No entanto, três órgãos são radicalmente contra o pagamento de taxa por parte de cliente de planos. São eles: a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) e o Procon-SP.

Basicamente, a ANS, o Idec e o Procon-SP
entendem que essa prática (Taxa de Disponibilidade) caracteriza-se comércio, frisando que a medicina tem como dever primordial e superior a saúde dos envolvidos, no caso a gestante e o bebê.

Os órgãos reforçam que as gestantes
que tenham plano de saúde têm sim direito gratuito a escolher os profissionais que a atenderam durante a gestação, cabendo aos planos de saúde pagar a taxa de parto.

Caso você não aceite pagar a taxa, entre em contato com o plano de saúde e com o hospital. Não havendo acordo, acione a Justiça, como ocorreu em um caso no Espírito Santo, onde a Justiça deu ganho ao réu.

Importante dica: meses antes do parto, confira regulamento e contrato firmado com o plano de saúde. Previna-se em caso de necessidade de pagamento da taxa. Anexe as informações prestadas pela ANS e IDEC (além do Procon-SP se estiver em São Paulo) para reforçar seu pedido judicial.

Em redes públicas de saúde, a gestante também pode acionar a Justiça caso queira ser atendida pelo médico que a atendeu durante meses. Infelizmente existe “mercado paralelo”, em que são cobrados taxas diretamente a médicos para que eles realizem partos em horários excepcionais.

Leia abaixo os comunicados oficiais de cada entidade:

Comunicado oficial do Conselho Federal de Medicina (CFM) favorável que os clientes paguem a taxa

Comunicado do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) contrário ao pagamento da taxa por parte do cliente

Comunicado oficial do Procon-SP  contrário ao pagamento da taxa por parte do cliente

Comunicado oficial da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) contrária ao pagamento da taxa por parte do cliente.


 Fale Conosco!Twitter Facebook LinkEdin Youtube Gtalk: samuelcamel@gmail.com Skype: samuelcamelo     







Deixe o seu comentário no espaço abaixo!

Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNAS
Uma mega rede voltada aos Agentes de Saúde (ACS e ACE)  
MNAS no MSN: MNAgentesdeSaude.groups.live.com  
Canal no YouTube: www.youtube.com/mobilizacaodosacs  
No Facebook: www.facebook.com/groups/agentesdesaude   
No Grupo Yahoo!: br.groups.yahoo.com/group/agentedesaude   
Ferramenta no Inforum: Fórum no Inforum   
Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil e MNAS: www.agentesdesaude.com.br
Fonte: www.papodemae.com.br
https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif