terça-feira, 13 de janeiro de 2015

França e Israel se despedem de vítimas de atentados em Paris

 Funeral dos jovens judeus mortos no atentado de Paris, na sexta-feira, no ataque a um mercado kosher de Paris

rança e Israel enterraram nesta terça-feira várias das vítimas dos atentados de Paris, na véspera da publicação de uma "edição dos sobreviventes" da revista Charlie Hebdo, que volta a colocar em sua capa Maomé, desta vez chorando.

Veja também:
O incentico adicional (14º salário) tem previsão em Lei. Ele é garantido aos ACS's e ACE's
Saiu a relação dos municípios que receberão os recursos destinados ao PMAQ 
Mobilização Nacional em prol do pagamento do "Piso Nacional" dos Agentes de Saúde 
Agentes de saúde foram pauta na 6ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores

EXCLUSIVO: A importância da Mobilização Nacional em Prol do "Piso Nacional" e as Forças... 
Exclusivo: Sindicatos entram com representação contra ADI proposta pela CNM
Confederação Nacional dos Municípios tenta acabar com o "Piso Nacional" dos Agentes de Saúde  MNAS
 

A revista satírica, cuja redação foi dizimada no ataque jihadista da semana passada, divulgou a capa de seu número de quarta-feira, que contará com três milhões de exemplares na França e no mundo, contra uma tiragem de 60.000 exemplares que a Charlie Hebdo costumava ter.
No desenho, assinado pelo chargista Luz, Maomé, com uma lágrima, carrega um cartaz com a frase "Je suis Charlie", símbolo da solidariedade mundial com os jornalistas assassinados, sob o título "tudo está perdoado".

Na véspera de sua publicação, as organizações muçulmanas da França pediram calma a sua comunidade, apelando para que evite "reações emotivas ou incongruentes incompatíveis com sua dignidade" e "respeite a liberdade de opinião".

Os atentados de Paris, os mais sangrentos registrados na Europa desde os de Londres em julho de 2005 e Madri em março de 2004, deixaram 17 mortos e 20 feridos entre quarta e sexta-feira. Os jihadistas que os cometeram tomaram como alvo jornalistas, policiais e judeus.

Em uma mobilização sem precedentes no país, cerca de quatro milhões de franceses tomaram as ruas para repudiar os atentados e defender a liberdade de expressão em marchas organizadas no domingo em Paris e em muitas cidades da França.

Em uma homenagem solene nesta quarta-feira aos três policiais mortos nos atentados, o presidente François Hollande afirmou que "a ameaça ainda existe", procedente do exterior e do interior do país.

Mas "nossa grande e bela França não quebra jamais, não cede jamais, não se curva jamais. Ela enfrenta, está de pé", proclamou Hollande em um discurso que encerrou a cerimônia solene na sede da polícia no centro de Paris.

Citando os três policiais, um deles muçulmano, o chefe de Estado lembrou que eles "morreram para que nós possamos viver livres".

Os quatro judeus que morreram na sexta-feira no ataque a um mercado kosher de Paris também foram enterrados nesta terça-feira em Jerusalém. Centenas de pessoas, entre elas os principais líderes do país, acompanharam a cerimônia.

Uma homenagem nacional a todas as vítimas será realizada na próxima semana no Palácio dos Inválidos de Paris.

Diante do risco de novos atentados, o governo francês mobilizou na segunda-feira 15.000 policiais e militares para proteger todos os locais sensíveis do país, em particular as escolas judaicas e sinagogas.

A comunidade muçulmana, inquieta após o aumento dos atos islamofóbicos, também pediu uma proteção reforçada para as mesquitas.

Após a forte reação do país em repúdio aos atentados, a unidade nacional será colocada à prova na quarta-feira no Parlamento, diante do qual o governo irá apresentar as primeiras medidas de reforço da segurança devido à ameaça de atentados.

O primeiro-ministro, Manuel Valls
, que reconheceu rapidamente falhas na segurança, convocou na segunda-feira a preservar "o espírito de 11 de janeiro" e advertiu contra a tentação de aplicar medidas de exceção similares à Patriot Act, adotada nos Estados Unidos depois do 11 de setembro de 2001 e criticada pelos que consideram que atenta contra as liberdades individuais.

No entanto, Valls defendeu medidas de reforço da possibilidade de escutas nas investigações antiterroristas, assim como o isolamento nas prisões dos detidos islamitas radicais, a fim de prevenir o proselitismo.

Dois dos autores dos atentados de Paris, Amédy Coulibaly e Cherif Kouachi, optaram pelo islamismo radical quando estavam presos.

O ex-presidente Nicolas Sarkozy, líder da oposição de direita, apoiou a ação do governo socialista ante esta crise, mas
exigiu ao mesmo tempo respostas fortes contra o terror islamita.

Outro dos líderes de seu partido, Laurent Wauquiez, defendeu nesta terça-feira a retirada da nacionalidade francesa "dos que participaram ou foram cúmplices de atos terroristas".

Enquanto a polícia francesa prossegue com as investigações para encontrar eventuais cúmplices dos autores dos atentados, a justiça búlgara revelou nesta terça-feira que um francês detido em 1º de janeiro na fronteira com a Turquia é suspeito de ter ligações com Cherif Kouachi.


 Fale Conosco!Twitter Facebook LinkEdin Youtube Gtalk: samuelcamel@gmail.com Skype: samuelcamelo     







Deixe o seu comentário no espaço abaixo!

Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNAS
Uma mega rede voltada aos Agentes de Saúde (ACS e ACE)  
MNAS no MSN: MNAgentesdeSaude.groups.live.com  
Canal no YouTube: www.youtube.com/mobilizacaodosacs  
No Facebook: www.facebook.com/groups/agentesdesaude   
No Grupo Yahoo!: br.groups.yahoo.com/group/agentedesaude   
Ferramenta no Inforum: Fórum no Inforum   
Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil e MNAS: www.agentesdesaude.com.br
Fonte: noticias.terra.com.br
https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif