segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Agentes de combate a endemias decretam greve por tempo indeterminado em Brejo da Madre de Deus

Os ACE foram até o prédio da prefeitura reivindicar seus direitos
A partir desta segunda-feira (27) os agentes de combate a endemias (ACE) entraram em greve por tempo indeterminado em Brejo da Madre de Deus. Os servidores da secretaria de Saúde reivindicam condições para exercer o trabalho, e principalmente, o piso salarial nacional que deste junho é de R$ 1.014,00.

Veja também:

Para dar início a paralisação, 28 agentes de Brejo sede e dos distritos Fazenda Nova e São Domingos, com o apoio do Sindicato Regional Setentrional do Agreste de Pernambuco dos Agentes Comunitários de Saúde e de Combate a Endemias (SINDACSE-PE), realizaram um protesto que teve início no pátio de eventos no centro da cidade, percorreram as principais ruas com gritos de “queremos o nosso piso” e foram até o prédio da prefeitura que estava fechado devido ao feriado do dia do servidor público que ficou para hoje em Brejo.

De acordo com o agente de combate a endemias José de Assis (Boy), a categoria enviou um ofício para o prefeito Dr. Edson solicitando que uma reunião fosse marcada para tratar de assuntos relacionados a categoria, mas a resposta foi para aguardar o piso nacional.
Macilon, Natalício e Boy
“Nós encaminhamos um ofício solicitando que o prefeito Dr. Edson nos recebesse em seu gabinete para tratarmos de assuntos relacionados à nossa categoria, mas o mesmo enviou uma resposta pedindo que aguardássemos o piso salarial, só que o piso já foi aprovado e está em vigor desde 18 de junho desse ano, é lei federal, somos pais de família e estamos apenas reivindicando nossos direitos”, disse Boy.

A categoria reivindica também melhores condições para trabalhar, como destacou Maurício ACE de São Domingos.
ACE Maurício Mestre
“O piso nacional é a nossa principal reivindicação, mas também estamos solicitando condições para exercer nossa função, estamos trabalhando no improviso, sem fardamento, sem o protetor solar que por lei também temos direito, material de campo e transporte em algumas localidades”, disse Maurício.


A presidente do sindicato dos ACE, Ana Régia, enviará para o prefeito e para o Ministério Público um ofício informando da paralisação.

“No momento deixaremos 30% dos servidores para manter os serviços essenciais, Estamos abertos ao diálogo, a categoria vai manter a greve por tempo indeterminado e ou até que tenha uma resposta do cumprimento da lei com efeito retroativo”, disse Ana Régia.

De acordo com Natalício, vice-presidente do sindicato dos ACE, com a paralisação o município pode sofrer com surtos de dengue, leishmaniose, doença de chagas e também a vacinação contra a raiva em cães e gatos, que está marcada para iniciar no sábado dia 1º de novembro, pode ser prejudicada. Caso o município não cumpra com as metas exigidas pelos Ministério da Saúde, sofrerá cortes nos repasses de verbas do Fundo Nacional de Saúde.
Natalício vice-presidente do SINDACSE-PE

 Fale Conosco!Twitter Facebook LinkEdin Youtube Gtalk: samuelcamel@gmail.com Skype: samuelcamelo     







Deixe o seu comentário no espaço abaixo!

Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNAS
Uma mega rede voltada aos Agentes de Saúde (ACS e ACE)  
MNAS no MSN: MNAgentesdeSaude.groups.live.com  
Canal no YouTube: www.youtube.com/mobilizacaodosacs  
No Facebook: www.facebook.com/groups/agentesdesaude   
No Grupo Yahoo!: br.groups.yahoo.com/group/agentedesaude   
Ferramenta no Inforum: Fórum no Inforum   
Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil e MNAS: www.agentesdesaude.com.br
Fonte: Estação Notícias