terça-feira, 19 de novembro de 2013

Estudo do Ipea revela as vidas perdidas por causa do racismo no Brasil

Nesta terça-feira (19), véspera do Dia da Consciência Negra (acompanhe aqui evento de amanhã em São Paulo), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea ) divulga a Nota Técnica Vidas Perdidas e Racismo no Brasil mostra a perversidade do racismo brasileiro e analisa a atuação dos racistas. O documento conclui que “o negro é duplamente discriminado no Brasil, por sua situação socioeconômica e por sua cor de pele. Tais discriminações combinadas podem explicar a maior prevalência de homicídios de negros vis-à-vis o resto da população”.

Segundo os autores do estudo, o diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e Democracia do Ipea, Daniel Cerqueira e Rodrigo Leandro de Moura, da Fundação Getulio Vargas “o componente de racismo não pode ser rejeitado para explicar o diferencial de vitimização por homicídios entre homens negros e não negros no país”.

De acordo com eles, “o racismo é um caso particular de discriminação em que o indivíduo, por sua cor da pele (ou raça), pode sofrer tratamentos diferenciados, no sentido de ter bloqueadas oportunidades sociais e econômicas, ou simplesmente de ser alvo de segregação”.

E justificam essa afirmação com os índices de homicídios pelos quais para cada não negro, 2,4 negros são assassinados no Brasil. Segundo os autores, esses dados se explicam pela marginalização sofrida pelos negros brasileiros desde o processo de Abolição quando “foram largados à própria sorte”, dizem.

O levantamento mostra que entre os 10% mais pobres há 11,66% de negros e 5,41% de não negros. Já entre os 10% mais ricos os números se invertem. Os negros são 6,8% enquanto os não negros somam 17,82% nessa faixa econômica. Pelo estudo Alagoas tem a amior proporção de negros assassinados em comparação com os não negros. Acompanhe abaixo o gráfico com todos os estados brasileiros.

A nota do Ipea se soma a diversos outros levantamentos para propiciar o entendimento do racismo praticado no Brasil, forjado cultural e ideologicamente para justificar a escravidão e posteriormente a exclusão desse contingente da população brasileira.

Fonte: Ipea



Deixe o seu comentário no espaço abaixo!

Divulgação: Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNAS
Uma mega rede voltada aos Agentes de Saúde (ACS e ACE)  
MNAS no MSN: MNAgentesdeSaude.groups.live.com  
Canal no YouTube: www.youtube.com/mobilizacaodosacs  
No Facebook: www.facebook.com/groups/agentesdesaude   
No Grupo Yahoo!: br.groups.yahoo.com/group/agentedesaude   
Ferramenta no Inforum: Fórum no Inforum   
Blog da MNAS e Jornal dos ACS/ACE: www.agentesdesaude.com.br