segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Chegam ao Brasil primeiros profissionais cubanos que participarão do Programa ‘Mais Médicos’


Pacientes com cólera são tratados por um médico cubano em um hospital na cidade de L’Estere, Haiti. Foto: ONU/Sophia Paris

Dos 400 médicos cubanos que participarão da primeira etapa da iniciativa, 84% têm mais de 16 anos de experiência. Segundo a OMS, todos já cumpriram missões em outros países e possuem especialização em Medicina da Família e da Comunidade.

Pacientes com cólera são tratados por um médico cubano em um hospital na cidade de L’Estere, Haiti. Foto: ONU/Sophia Paris

Os primeiros médicos cubanos que participarão do Programa ‘Mais Médicos’ chegam neste sábado e domingo, 24 e 25 de agosto, a Recife, Brasília, Fortaleza e Salvador.

O acordo de cooperação técnica – cujo objetivo é ampliar o acesso da população brasileira à atenção básica em saúde – foi firmado esta semana pelo Ministério da Saúde do Brasil e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), representação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as Américas. Pelo acordo, fica definida a vinda de 4 mil profissionais de Cuba para as vagas que não foram escolhidas por brasileiros e estrangeiros na seleção individual do programa (acesse os detalhes aqui).

Segundo a OPAS, os médicos cubanos participarão de treinamento e avaliação para adaptação do idioma de língua portuguesa e saúde pública brasileira de 26 de agosto a 13 de setembro, totalizando 120 horas. Os aprovados nessa etapa serão deslocados aos municípios onde atuarão para iniciarem o atendimento à população, na segunda quinzena de setembro.

O representante da OPAS no Brasil, Joaquín Molina, ressalta que na negociação com Cuba a organização buscou um perfil de profissional direcionado às necessidades do programa Mais Médicos. “São médicos experientes, que já trabalharam em países de língua portuguesa e com especialização em saúde da família. Com certeza, estamos trazendo um grupo muito preparado ao Brasil”, afirmou.

Neste sábado (24), chegam a Recife os primeiros 30 médicos cubanos para uma capacitação. No mesmo dia chegam a Brasília 176 médicos. No domingo (25), as cidades de Fortaleza, Recife e Salvador receberão mais 194 médicos, totalizando 400 médicos provenientes de Cuba que participarão da primeira etapa de capacitação do Programa.

Os médicos que irão receber capacitação especial para atuar em municípios com população indígena serão concentrados em Brasília. A segunda etapa de capacitação do Programa Mais Médicos está prevista para ocorrer no mês de setembro.

Dos 400 médicos cubanos que participarão da primeira etapa, 89% têm mais de 35 anos, sendo 65% do total na faixa etária de 41 a 50 anos. Além disso, 84% têm mais de 16 anos de experiência em medicina, sendo 60% mulheres e 40% homens. Todos os profissionais cubanos já cumpriram missões em outros países, incluindo participação em missões em países de língua portuguesa, e têm especialização em Medicina da Família e da Comunidade. Do total, 20% têm mestrado em Saúde.

Dados: OPAS e Ministério da Saúde

Eles serão direcionados aos 701 municípios – dos quais 84% estão nas regiões Norte e Nordeste – que aderiram ao Mais Médicos, mas não foram selecionados por nenhum médico do edital de chamamento individual. As etapas seguintes ocorrerão para preencher postos ociosos após ciclos de chamamento individual, cuja segunda edição foi aberta na última segunda-feira (19).

Medicina de Cuba: avanços reconhecidos pela OMS

Em Cuba, há 25 faculdades de medicina, todas públicas, e uma Escola Latino-Americana de Medicina, na qual estudam estrangeiros de 113 países, inclusive do Brasil.

A duração do curso de medicina em Cuba, a exemplo do Brasil, é de seis anos em período integral. Depois, há mais três a quatro anos para especialização. Pelas regras do Ministério da Educação de Cuba, apenas os alunos que obtêm notas consideradas altas em uma espécie de vestibular e ao longo do ensino secundário são aceitos nas faculdades de Medicina.

Cuba possui um histórico de apoio a outros países na área da saúde. Em abril deste ano, a ONU anunciou que a nova vacina pentavalente no Haiti, introduzida pelo Ministério da Saúde Pública e População do país com apoio da OMS, poderia salvar cerca de 3 mil crianças ao longo dos próximos quatro anos, segundo estimativas da organização.

O medicamento foi concebido para proteger meninos e meninas de até cinco anos contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e Haemophilus Influenzae tipo b (Hib), que causa pneumonia e meningite. A meta do Ministério haitiano é administrar três doses do medicamento para 288 mil crianças menores de um ano de idade. Para alcançar o objetivo, a OMS recrutou e treinou uma equipe de 12 médicos haitianos, educados em Cuba e na República Dominicana, para treinar profissionais de saúde na utilização da vacina pentavalente em todo o país.

O país também foi elogiado pela OMS por ter colocado em prática um plano nacional abrangente para prevenir e combater o câncer, além de investir em biotecnologia.

Segundo a OMS, o plano é apoiado por um sistema forte de atenção primária à saúde, que permite ao médico ver seus pacientes regularmente e detectar os problemas de saúde em um estágio inicial. Pacientes com suspeitas de câncer são encaminhados a centros especializados para o diagnóstico e tratamento adequado.

Segundo o último relatório “Estatísticas Mundiais de Saúde”, publicado em maio deste ano, Cuba é o único país da América Latina e Caribe que possui um nível de mortalidade infantil comparável a de países desenvolvidos, com 6 mortes em cada mil crianças menores de 5 anos – mesmo índice do Canadá (6) e menor que dos Estados Unidos (8) e Chile (9). Este número chega a 70 no Haiti, enquanto no Brasil é de 16 mortes por mil.

Recursos serão repassados à OPAS

Além de Cuba, a OPAS continua buscando a parceria de países, universidades e organizações de outros países para a participação no Mais Médicos, no âmbito do acordo firmado com o Ministério da Saúde. Nestas parcerias, segundo o organismo internacional, só serão ofertadas as vagas não preenchidas pelos editais de chamamento individual.

Para levar os médicos cubanos a estas regiões, o Ministério da Saúde investirá, via OPAS, 511 milhões de reais até fevereiro de 2014. O Ministério da Saúde repassará à OPAS recursos equivalentes às condições fixadas pelo edital do Mais Médicos – de R$ 10 mil para cada médico.

A concessão de registro profissional segue a regra fixada na Medida Provisória que instituiu o programa Mais Médicos: os médicos terão autorização especial para trabalhar por três anos exclusivamente nos serviços de atenção básica em que forem lotados no âmbito do programa. (acesse os detalhes aqui)

Divulgação: Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNAS
Uma mega rede voltada aos Agentes de Saúde (ACS e ACE)  
MNAS no MSN: MNAgentesdeSaude.groups.live.com  
Canal no YouTube: www.youtube.com/mobilizacaodosacs  
No Facebook: www.facebook.com/groups/agentesdesaude   
No Grupo Yahoo!: br.groups.yahoo.com/group/agentedesaude   
Ferramenta no Inforum: Fórum no Inforum   
Blog da MNAS e Jornal dos ACS/ACE: www.agentesdesaude.com.br
Fonte: www.onu.org.br

Reajuste do Piso e Desprecarização: São 3 anos Sem Reajuste e mais de 200.000 agentes sob contratação precária. Será que não chegou a hora de UNIR as forças?

Convocamos a todas as instituições representativas para UNIDAS acabar com essa vergonha, que é o congelamento do "Piso Nacional"...