terça-feira, 9 de abril de 2013

Grande Mobilização Nacional da Saúde atingiu quase 1,5 milhão de participantes.


A proposta da Grande Mobilização Nacional da Saúde, elaborada a pouco mais de 60 (sessenta) dias, antes da data agendada para o evento, ou seja, 07 de abril, comemorado Dia Mundial da Saúde, contou com o envolvimento de diversos seguimentos ligados aos profissionais da SAÚDE, tais como: sindicatos, associações, cooperativas etc, além de outros importantes colaboradores, como foi o caso da relevante participação articulativa do ex-presidente da CUT-PE, Sérgio Goiana, diretor financeiro da central e coordenador do Sindicato dos Servidores Federais (Sindsep-PE).


O esforço de Souza, coordenador do Fórum dos Servidores Municipais do Recife, que empreendeu todos os esforços possíveis para que o evento se tornasse uma realidade foi fundamental para que o êxito fosse possível. Não foram poucos os dias em que ele se manteve até elevadas horas da noite trabalhando no desenvolvimento de estratégias com a coordenação da Grande Mobilização Nacional da Saúde, Samuel Camelo.

O Francis Herbert, presidente do Sindicato Profissional dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem do Estado de Pernambuco (SATENPE), merece destaque. Esse guerreiro que, por meio de sua influência, disponibilizou todos os recursos possíveis para que a coordenação da Mobilização tivesse espaço nas mídias utilizadas pelos sindicatos, além da manifestação de apoio incondicional, foi de suma relevância para tornar possível o estabelecimento das bases representativas.

Hoje contabilizamos uma experiência maravilhosa e impar, considerando que todos que participaram do evento foram protagonistas de uma mobilização nacional, inédita, no que tange a forma com que foi realizada. A saúde foi o primeiro seguimento de trabalhadores de nosso país a realizar tal façanha. Isto é motivo de orgulho que, acreditamos firmemente, ficará registrado na história da saúde pública brasileira, objeto de lembranças em nosso amanhã.
A partir de hoje, temos uma mudança radical na forma de mobilização da categoria trabalhadora.

Saímos das manifestações tradicionais e criamos uma nova maneira de falar aos gestores que desejamos uma SAÚDE com qualidade para o nosso povo. Obviamente que essa SAÚDE não se faz sem a valorização dos profissionais que a integram.

Hoje fizemos do Facebook, Twitter, Blog’s, YouTube etc., ferramentas de manifestações pacíficas e legítimas. Contabilizamos quase 1,5 milhão de participantes desse primeiro evento.

Ainda nos primeiros horários do último domingo (07 de abril) tivemos problemas com o acesso da página do Ouvidor SUS (Ouvidoria), ferramenta do Ministério da Saúde ligada ao Sistema Único de Saúde – SUS, que apresentou problemas no envio dos formulários com as reivindicações das categorias envolvidas na mobilização. Recebemos um grande volume de reclamações. A coordenação do evento realizou as verificações técnicas e constatou que o problema possivelmente estava ligado ao grande volume de acessos ocorridos na referida data.

A Mobilização apresentou como bandeira de luta dos médicos - melhores salários e condições laborativas. O movimento médico tem uma reivindicação nacional de implantação da carreira médica com valor específico por 20 horas de trabalho por semana. No caso dos auxiliares, técnicos de enfermagem e enfermeiros a peleja é pela jornada de trabalho de 30 horas semanais, uma reivindicação considerada histórica. Algumas categorias profissionais da seguridade social já conquistaram essa jornada máxima, porém, há uma década a enfermagem brasileira luta para aprovar o Projeto de Lei do Senado 2.295/2000, mais conhecido como PL 30 Horas. Lembrando que a Organização Internacional do Trabalho (OIT) da Organização das Nações Unidas (ONU) recomenda esta jornada, sob o argumento de que é o melhor para pacientes e trabalhadores da saúde do mundo inteiro. Os agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias lutam por melhores condições de trabalho e salários, desprecarização do vínculo de trabalho, com base na Lei Federal 11.350/2006 e formação técnica, conforme proposta do Ministério do Trabalho.

Certos de que ao melhorar as condições de trabalho desses profissionais, inevitavelmente projeta-se qualitativamente melhores condições dos serviços da saúde. A busca por melhores condições de trabalha está intimamente ligada melhoria na qualidade dos serviços públicos de saúde, prestados a maioria da população brasileira, que depende de tais serviços.

Em decorrência dos problemas descritos com os formulários de contato do site do Ministério da Saúde (Ouvidor SUS), que não suportou o volume de envios por parte dos manifestantes, decidimos continuar com as manifestações até o último dia do mês abril. 

“Estamos estudando a possibilidade de realizar uma nova Mobilização Nacional da Saúde, ainda esse ano. Já iniciamos a análise do evento do último domingo e brevemente nos posicionaremos sobre tal possibilidade,” comentou Samuel Camêlo.
 
Divulgação: Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNAS
Uma mega rede voltada aos Agentes de Saúde (ACS e ACE)
Twitter: twitter.com/AgentesdeSaude
MNAS no MSN: MNAgentesdeSaude.groups.live.com
Canal no YouTube: www.youtube.com/mobilizacaodosacs
No Facebook: www.facebook.com/groups/agentesdesaude 
No Grupo Yahoo!: br.groups.yahoo.com/group/agentedesaude 
Ferramenta no Inforum: Fórum no Inforum 
Fonte na web: www.agentesdesaude.com.br