quinta-feira, 7 de março de 2013

A Câmara de Alagoa Grande (PB), aprovou o Projeto do Executivo que estabelece o piso dos Agentes Comunitário de Saúde em R$ 950,00

A Câmara municipal de Vereadores do município de Alagoa Grande (PB), aprovou o Projeto do Executivo que estabelece o piso dos Agentes Comunitário de Saúde em R$ 950,00.
Depois da aprovação do piso municipal pela Câmara municipal de Filadélfia (em dezembro de 2012), seguida por Eunápolis e Botuporã, todos na Bahia, nos deparamos com uma tendência nacional. É salutar que a mais de dois anos que o Coordenador da Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde (MNAS), Samuel Camêlo, vem defendendo a necessidade da luta regionalizada, ou seja, a necessidade de militância no município. Por defender esse posicionamento o coordenador da MNAS e administrador do Jornal dos Agentes de Saúde sofreu retaliação por parte de algumas pessoas sem noção de articulação. Hoje os tais pessoas silenciam diante dos resultados positivos dos agentes que militaram em prol da garantia de um piso. A espera por um piso nacional já dura quase meia década e não saiu por falta de organização daqueles que defendiam apenas interesses próprios.

Orientação aos Agentes de Saúde do Brasil

Não esperem que “Brasília” resolva os seus problemas! Hoje a realidade da categoria é impar, em face das grandes possibilidades que os meios de comunicações imediatas oferecem. As redes sociais, a militância qualificada, a sistematização das ações, a disponibilidade de meios interligados como o Blog do Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil, o mais antigo do país voltado aos agentes de saúde, a fanpage Jornal dos Agentes de Saúde, uma ferramenta nova no Facebook, mas, que consegue em uma única postagem quase 30.000 visualizações. No Twitter, marcamos presença com uma rede que envolve mais de 200.000 seguidores, em nossos diversos perfis. Lembramos-nos de um caso ocorrido em uma das cidades do Brasil em que, após recebermos informações de que as agentes comunitárias de saúde seriam demitidas, passamos a usar o Twitter para questionar o prefeito. Por oito meses seguramos a situação, o resultado não foi o que desejávamos, que era a desistência da demissão em questão. Infelizmente um novo processo seletivo foi realizado e parte das agentes não continuou no quadro de contratadas. Mas apesar da não obtenção de êxito, conseguimos conduzir a situação por quase um ano. Isto revela o potencial das ferramentas que dispomos nas mãos. Está ao alcance de qualquer agente de saúde. Nós colocamos todos esses recursos nas mãos dos guerreiros da Atenção Primária.

O Piso Municipal com base na Portaria editada pelo MS

O Piso Municipal com base na Portaria editada pelo Ministério da Saúde é uma tendência nacional. É isso que a coordenação da Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde defende. Ainda que os demais colegas de trabalho que compõe a Atenção Primária não concordem, como vem sendo relatado em alguns casos. A categoria, sem sombra de dúvida alguma, conseguirá mudar a infeliz realidade de um salário vergonhoso, injusto e desmotivador.

É relevante destacar que não estamos sozinhos, contamos com o apoio da sociedade da qual fazemos parte. E como sempre destacamos, nós somos essa sociedade, esse povo que faz do Brasil uma nação.

*Todo o conteúdo deste site está publicado sob a garantia de direitos autorais. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil e Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNAS. 

Divulgação: Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNAS
Uma mega rede voltada aos Agentes de Saúde (ACS e ACE)
Jornal dos ACS e ACE: bit.ly/MNASJornal
Ferramenta no Inforum: Fórum no Inforum 
Jornal dos Agentes de Saúde do BR: www.agentesdesaude.com.br
Fonte na web:  www.agentesdesaude.com.br