quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Encontro em Brasília pode definir futuro do crack no Rio

Prefeito vai conversar com ministro da Saúde sobre internação compulsória e criação de leitos
POR Vania Cunha

Rio -  Uma possível solução para o drama de viciados em crack poderá surgir hoje do encontro entre o prefeito do Rio, Eduardo Paes, e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Paes vai levar para Brasília a polêmica decisão de internação compulsória para adultos, além do projeto de abrir 600 vagas até o fim do ano para tratamento de dependentes químicos. Só ontem, agentes da prefeitura retiraram 63 pessoas que usavam a droga sob viaduto da Avenida Brasil em frente ao Parque União, na Maré.

O ministro já havia se manifestado favorável à iniciativa do Rio de internar adultos dependentes de crack para tratamento, mesmo contra a vontade. Uma das pautas da conversa entre as autoridades hoje será a discussão logística das 600 vagas para tratamento dos dependentes. Paes ainda não definiu se ampliará os quatro Centros de Atenção Psicossocial (CAPs) ou se criará novas unidades. De qualquer forma, a quantidade de leitos prometida pelo prefeito deve superar o número já existente em hospitais da rede municipal.


Foto: Alessandro Costa / Agência O Dia
Poucos minutos após a saída das equipes da prefeitura, viciados em crack voltaram ao canteiro da Avenida Brasil em frente ao Parque União | Foto: Alessandro Costa / Agência O Dia

Para Analice Gigliotti, psiquiatra e integrante da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas (Abead), a iniciativa de criar tantas vagas pode dar certo, desde haja profissionais suficientes para tratar os pacientes. “Para cuidar de 15 a 20 pacientes, o grupo mínimo deveria ser de dois psicólogos, dois enfermeiros, um assistente social e um médico de plantão. Será que tem profissionais pra isso? A iniciativa é louvável, tomara que ele (prefeito) consiga fazer”, disse.

A especialista ressaltou que os agentes de saúde precisam ter capacitação específica para atender pacientes com dependência química. “Apesar de absolutamente viciante, é possível se livrar do crack. É difícil fazer o paciente aderir ao tratamento de forma voluntária, mas se receber a ajuda adequada, é possível vencer”.

Fuga em meio aos carros na Av. Brasil

Agentes da Secretaria Municipal de Assistência Social chegaram à cracolândia do Parque União, na Maré, às 7h30 de ontem. A ação sob o viaduto foi a terceira depois da ocupação do Jacarezinho e Manguinhos, de onde muitos fugiram, há cerca de duas semanas.

No total, 60 adultos e três menores foram acolhidos. Desses, somente 32 permaneceram no abrigo. Poucos minutos depois da saída das equipes, usuários retornaram ao viaduto, poucos metros à frente do local onde tapumes foram derrubados pela prefeitura.

Ao avistar os agentes, pessoas fugiram, se arriscando a cruzar a pista da Avenida Brasil. Visivelmente alterados, alguns foram arredios à abordagem: uma mulher ameaçou um dos agentes com pedra e outro usuário jogou um tênis na direção da equipe do DIA, que registrava o trabalho da secretaria. Para evitar que as pessoas voltem a ocupar o lugar, serão construídos muros inclinados sob o viaduto, tal qual existem na Cidade Nova.

Ontem, policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) prenderam dois homens com drogas, durante patrulhamento no Jacarezinho.

Divulgação: Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNAS
Uma mega rede voltada aos Agentes de Saúde (ACS e ACE)
Twitter: twitter.com/AgentesdeSaude
Jornal dos ACS e ACE: bit.ly/MNASJornal
MNAS no MSN: MNAgentesdeSaude.groups.live.com
Canal no YouTube: www.youtube.com/mobilizacaodosacs 
No Orkut: www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=88080356 
No Facebook: www.facebook.com/groups/agentesdesaude 
No Grupo Yahoo!: br.groups.yahoo.com/group/agentedesaude
Ferramenta no Inforum: Fórum no Inforum
Fonte: odia.ig.com.br