quarta-feira, 6 de junho de 2012

No Recife, moradores barram visita dos agentes de saúde nas casas

Profissionais enfrentam dificuldades no combate aos focos da dengue.
Pernambuco registrou aumento de 95% no número de casos da doença
Divulgação do Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil

As autoridades de saúde de Pernambuco estão em alerta. O número de casos notificados de dengue, nos cinco primeiros meses deste ano, chega 43.852. No Recife, agentes de saúde ambiental estão enfrentando muita resistência para visitar as casas e ajudar no combate aos focos do mosquito.

A reportagem do NETV 2ª Edição acompanhou uma equipe de agentes em Boa Viagem, na Zona Sul da cidade. Em vários locais, as portas se fecharam aos profissionais. Em um prédio na Avenida Barão de Souza Leão, a recusa em aceitar a visita dos que trabalham contra a dengue já se repetiu várias vezes. “Eles dizem que não têm planta, que está tudo certo”, disse a agente de saúde ambiental Maria José Malafaia.

Números da dengue
O Recife avançou algumas posições e agora é o primeiro município de Pernambuco nos números da dengue. Dos 43.852 mil casos notificados no estado este ano, 24% foram na capital. Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, vem em segundo, com 5,5% dos casos. Caruaru, no Agreste, tem 4,7%. Afogados da Ingazeira, no Sertão, 4,1%. Já Olinda, 4%.

A quantidade de casos de dengue em Pernambuco nestes últimos cinco meses foi 95% maior que nos mesmos meses do ano passado. O gerente do Programa de Saúde Ambiental da Prefeitura do Recife justifica a subida da cidade nesse pódio onde ninguém quer estar.

“Nós temos a introdução de um novo vírus, tipo 4, que agora está tendo contato com as pessoas na cidade e isso faz com que as pessoas adoeçam. Cerca de 80% dos focos da dengue estão dentro dos imóveis, e as pessoas ainda recusam a visita”, explicou o gerente de Programa de Saúde Ambiental do Recife, Otoniel Barros.

Doença fatal
Este ano, 35 mortes por dengue foram notificadas e, em seis desses casos, já está confirmado que o problema foi mesmo a picada do aedes aegypt. Foram duas mortes no Recife, duas em Jaboatão e duas em Olinda. Números menores que os do ano passado, quando 27 mortes por dengue foram confirmadas no mesmo período.

Os registros de doença caíram na maior parte do Brasil. Por que, então, Pernambuco não consegue frear o mosquito? A Secretaria Estadual de Saúde informou que, no fim do ano passado, os municípios do estado receberam do governo federal R$ 6 milhões para as ações de saúde.

Cento e catorze municípios considerados prioritários ganharam 20% a mais do que tinham acesso antes - exatamente para o combate à dengue. Cabe ao Tribunal de Contas fiscalizar o uso do dinheiro e à Secretaria Estadual de Saúde monitorar os resultados.

“Houve um aumento do casos [de dengue] por conta da situação climática, que favoreceu um maior número de vetores e, consequentemente, a transmissão. A gente precisa sensibilizar a comunidade, precisa deixar os reservatórios bem fechados e evitar a multiplicação do mosquito”, falou a coordenadora do Programa de Combate à Dengue, Claudenice Pontes.
Divulgação: Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNAS
Uma mega rede voltada aos Agentes de Saúde (ACS e ACE)
Twitter: twitter.com/AgentesdeSaude
Jornal dos ACS e ACE: bit.ly/MNASJornal
MNAS no MSN: MNAgentesdeSaude.groups.live.com
Canal no YouTube: www.youtube.com/mobilizacaodosacs
No Orkut: www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=88080356
No Facebook: www.facebook.com/groups/agentesdesaude
No Grupo Yahoo!: br.groups.yahoo.com/group/agentedesaude
Ferramenta no Inforum: Fórum no Inforum
agente comunitário de saúde, endemias, ava, acs, ace, conacs, ACS Lima
Fonte na web: g1.globo.com