sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Dor aguda e aumento do volume pode indicar tumor nos testículos.

Considerado o mais raro entre os tumores malignos no homem, o câncer de testículo muitas vezes pode ser confundido com uma inflamação aguda. Atinge principalmente indivíduos jovens, sexualmente ativos e em plena idade reprodutiva. Apesar de ter uma rápida evolução, esse tipo de tumor apresenta elevado índice de cura, quando diagnosticado precocemente.

Representando menos de 1% dos tumores que acometem os homens, os Tumores Germinativos do Testículo (TGT) têm maior incidência em indivíduos entre 15 e 35 anos, podendo ser confundidos com uma inflamação dos testículos e do epidídimo - canal que coleta e leva o esperma até a ejaculação. "Todo paciente jovem com manifestações escrotais, como aumento de volume recente e dor aguda, que não melhoram após dez dias de tratamento com antibióticos, deve ser reavaliado cuidadosamente e submetido a exame ultra-sonográfico para descartar a hipótese de tumor", explica Luciano Nesrallah, chefe do Setor de Tumores Urológicos da Disciplina de Urologia da Unifesp.

De acordo com o especialista, os mecanismos implicados no desenvolvimento da doença ainda são desconhecidos. Porém, ela é mais comum em homens com atrofia testicular e criptorquidia, uma falha na descida do testículo para o escroto durante o desenvolvimento fetal. O histórico familiar, a infecção por HIV e a ingestão materna de estrógenos no início da gestação também são fatores de risco para o desenvolvimento desse tipo de câncer. Por motivos desconhecidos, os TGT são cinco vezes mais raros em negros.

Nesrallah explica que, apesar de a doença ser agressiva e de rápida evolução, o câncer de testículo é, atualmente, considerado um dos tumores com maior índice de cura (cerca de 92%), pois responde muito bem à quimioterapia. "Por isso, é imprescindível o diagnóstico precoce e a intervenção rápida, com a retirada do testículo comprometido", afirma o urologista. "A extração de apenas um dos testículos não interfere na potência sexual masculina, um dos maiores medos desses pacientes. Quando é necessária a retirada de ambos, entretanto, é preciso, em 60% dos casos, estabelecer a reposição hormonal, devido a queixas de queda de libido".

Auto-exame

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o exame físico dos testículos é uma maneira eficaz de detectar tumores e deve ser feito mensalmente, sempre após um banho quente, pois o calor relaxa o escroto e facilita a observação de anormalidades.

Veja como realizar o exame, passo a passo:

·De pé, em frente ao espelho, verifique se há alterações em alto relevo na pele do escroto;

·Examine cada testículo, posicionando-os entre os dedos indicador, médio e o polegar, revolvendo-os delicadamente. É normal, entretanto, se um testículo parecer ligeiramente maior que o outro;

·Ao apalpar o testículo, localize o epidídimo - pequeno canal localizado na parte de trás dos testículos, por onde passa o esperma. Ao se familiarizar com o epidídimo, fica mais fácil distinguir o que pode ser um nódulo suspeito.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Unifesp

Divulgação: Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNAS
Uma mega rede voltada aos Agentes de Saúde (ACS e ACE)
Twitter: twitter.com/AgentesdeSaude
Jornal dos ACS e ACE: www.agentesdesaude.official.ws
MNAS no MSN: MNAgentesdeSaude.groups.live.com
Canal no YouTube: www.youtube.com/mobilizacaodosacs
No Orkut: www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=88080356
No Facebook: www.facebook.com/groups/agentesdesaude
No Grupo Yahoo!: br.groups.yahoo.com/group/agentedesaude

Fonte na web: www.saudeemmovimento.com.br