terça-feira, 14 de junho de 2011

Notícias sobre a Ração Humana

Por: Silvana Matos

Há algum tempo a Ração Humana é assunto entre aqueles que se preocupam principalmente com a boa forma, muitos substituem as refeições pela ração humana, mas o problema é que esta mistura, apesar de ser rica em fibras e alguns minerais, não contém todos os nutrientes necessários nem é reconhecida como capaz de substituir uma refeição.

A Ração Humana que, atualmente, existe em diversas versões, foi criada inicialmente para complementar a alimentação e não para substituir refeições no auxílio a processos de emagrecimento. Este foi o assunto de um alerta divulgado pela Anvisa na última terça-feira, dia 7. Segundo a Anvisa, esta iniciativa foi tomada após diversos questionamentos feitos por parte de órgão estaduais de vigilância a respeito desse produto.

Sua formulação varia de acordo com o fabricante, mas geralmente trata-se de uma mistura de diferentes cereais, farinhas, farelos e fibras, que podem conter guaraná, gelatina e cacau em pó, levedo de cerveja, extrato de soja, linhaça e gergelim. Um grande problema é que, dependendo de sua composição, a Ração Humana pode se enquadrar em diferentes legislações/resoluções, podendo ser classificada como mistura para preparo de alimentos, alimento pronto para o consumo, novo alimento ou alimento para fins especiais, entre outros.

Um ponto que merece destaque é o fato que alguns destes produtos contém ginseng, ginkgo biloba e sene, ingredientes que não podem ser incluídos na formulação de alimentos, podendo ser utilizados apenas em substâncias farmacológicas e fitoterápicas, que se enquadram em outra resolução da Anvisa.

Ainda de acordo com a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária, alegações de propriedades medicamentosas e terapêuticas relativas a emagrecimento não podem ser utilizadas em rótulos ou publicidade do produto e, para alegar propriedades funcionais ou de saúde, a empresa deve registrar o produto como tal e atender as exigências da legislação (inclusive apresentando estudos que comprovem sua ação, que, no caso da Ração Humana, são insuficientes).

São muitos os pontos que necessitam de ajuste para a comercialização deste produto, até mesmo o nome "Ração Humana" tem suas limitações, por passar a falsa idéia de ser um alimento completo para consumo humano. Entre os nutricionistas, alguns indicam a "Ração Humana" como complemento alimentar, nunca como substituto de refeições, outros se preocupam com os riscos que o consumo deste alimento podem trazer, o que inclui até mesmo aumento de peso, pois ao contrário do que muitos podem pensar, a Ração Humana não é um produto de baixas calorias. Além disso, o consumo deste complemento é totalmente desnecessário se a pessoa se alimentar de maneira saudável, ingerindo a quantidade recomendada de fibras, frutas e vegetais.

E não se esqueça: antes de fazer qualquer mudança na sua alimentação, procure um nutricionista, que é a pessoa mais indicada para orientá-lo neste caso. Não existe dieta ideal que funcione da mesma forma para todo mundo, por isso não é indicado seguir o que "deu certo com a amiga".

Fontes:
Agencia Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa
Folha on line
Estadão

Divulgação: Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde - MNASUma mega rede voltada aos Agentes de Saúde coordenada por Samuel Camelo

Twitter: twitter.com/AgentesdeSaude
Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil: www.agentesdesaude.official.ws

MNAS no MSN: MNAgentesdeSaude.groups.live.com

Fonte na web: www.atibaia.com.br